domingo, 9 de abril de 2017

Desaparecimento no Acre - O Misterioso Caso de Bruno Borges


A essa altura, todos que não se encontravam aprisionados nas últimas semanas num bloco de gelo, devem estar sabendo do misterioso caso do estudante Bruno de Melo Silva Borges que desapareceu sem deixar vestígio de sua casa na cidade de Rio Branco, no dia 27 de março. As redes sociais mencionam o caso de modo recorrente e todos se perguntam o que teria acontecido.

O rapaz de 24 anos, filho de uma família de boa condição econômica, residente da Capital do Estado do Acre, sumiu de sua casa e até o momento não há sinal de seu paradeiro. O caso poderia ser apenas mais um dentre muitos desaparecimentos ocorridos no Brasil e no mundo, a não ser por algumas circunstâncias estranhas que o tornam único. Não apenas pela identidade do rapaz, descrito como um jovem inteligente mas de espírito inquieto, de boa índole, porém de comportamento fora do comum, mas pelo que ele deixou para trás. O quarto de Bruno ficou trancado após seu desaparecimento e o que a polícia - chamada para iniciar as investigações, encontrou em seu interior tornam o caso algo cada vez mais misterioso, enveredando para campos do oculto.

Para escrever esse artigo, fizemos uma pesquisa e reunimos as informações disponíveis sobre o caso para tentar lançar uma luz sobre o incidente. Quais os interesses do rapaz e no que ele poderia estar envolvido? Buscamos também informações a respeito da família e do comportamento de Bruno Borges no dias antes de seu sumiço. Quais teriam sido os motivos para ele fugir? No que ele acreditava? Seria tudo resultado de um surto esquizofrênico ou de algo maior e mais estranho?


Vamos começar falando do que sabemos a respeito de Bruno Borges através do que a família, as pessoas mais próximas a ele declararam. Isso talvez conceda um retrato do personagem desse incidente peculiar.

A Família Borges vive em uma região de classe média alta de Rio Branco. O pai, Athos Borges, é um empresário bastante conhecido em Rio Branco. Por conta do trabalho, ele costuma se ausentar de casa por muitos dias em meio aos negócios. A mãe, Denise Borges é psicóloga e fala do filho com carinho, sem esconder orgulho e admiração. Descreve o rapaz como uma pessoa muito focada e inteligente:

"Na escola, sempre foi diferenciado, um líder nato, com um alto poder de persuasão. É um menino de coração tão bom que dava as coisas de casa e dele, aos outros, como camisetas e calças. Não é por que é meu filho, estou falando do Bruno amoroso, que enxerga a alma das pessoas", contou Denise em entrevista.

Em outra entrevista contou que seu filho possui um alto poder de empatia, capaz de "sentir o que as pessoas sentem"  e de "intuir sobre o estado emocional de cada indivíduo" oferecendo a ele apoio quando necessário.  

A mãe insiste que o filho não tinha problemas psicológicos, e que ela, enquanto profissional da área, poderia diagnosticar a existência de sintomas de esquizofrenia ou distúrbios semelhantes observando seu comportamento diário. Bruno jamais tomou medicamentos controlados e nunca fez consultas com médicos da área psiquiátrica. Sintomas de esquizofrenia com certeza não surgem de uma hora para outra, sendo perceptíveis em mera observação. Bruno jamais foi violento ou agressivo, de fato havia um certo grau de passividade em seu comportamento, visto que as pessoas o descrevem como alguém observador e tranquilo.


A família Silva Borges é completada por mais dois irmãos, Gabriela quatro anos mais velha que Bruno e Rodrigo seu gêmeo não idêntico. Os irmãos e os poucos amigos dizem que o rapaz desaparecido é introvertido e quieto. Quase todos citam como qualidade sua a tranquilidade. Em geral, ele mantém certo distanciamento, sem demonstrar interesse pelos assuntos corriqueiros, mas quando atraído para uma conversa interessante não se poupa de dar sua opinião de maneira clara e lúcida. 

Após completar o segundo grau, Bruno tentou carreira em três cursos, estudou Administração, passou para Direito e finalmente Psicologia. Não se interessou por nenhum deles. Perdia muitas aulas e acabava se desinteressando pelos temas tratados. Parece o típico comportamento de alguém que não encontrou sua vocação e que ainda busca seu lugar no mundo. Há três anos ele teria se interessado por Filosofia. Passou então a estudar por conta própria obras clássicas e livros de pensadores conceituados. Colecionava dizeres e citações, muitos das quais, transferiu posteriormente para um dos vários murais simétricos que recobriam as paredes de seu quarto.

É seguro dizer que ninguém sabia ao certo quais os verdadeiros interesses de Bruno. Sua vida era um segredo que ele raramente compartilhava com as pessoas. Não tinha namorada e seu interesse principal era ler. Sua família parecia ignorar sumariamente no que ele estava envolvido, provavelmente por acreditar que o rapaz não poderia fazer nenhum mal a ninguém ou a si mesmo. Preferiam deixá-lo viver sua vida em paz. Os estudos dominavam seu tempo livre e ele passava os dias lendo e pensando.

Dentre os mestres filosóficos que Bruno admirava, um tinha importância quintessencial em seus estudos: Giordano Bruno (1548-1600).


Nascido na Itália Renascentista o filósofo foi teólogo, frade da Ordem Dominicana e autor de destaque em sua época. Foi um questionador e suas idéias muito avançadas foram tratadas primeiro com desdém, depois como provocação e finalmente como blasfêmia pela Igreja Católica. Dentre as suas teses estava a crença na infinitude do universo, a crença de que além dos limites da Terra haveriam estrelas, planetas e outros mundos. E que estes seriam igualmente habitados por seres inteligentes com os quais um dia faríamos contato. Para Giordano, em um Universo sem fim, seria de se supor que existiriam outros povos, raças e seres inteligentes compartilhando da criação de Deus. Ele sempre defendeu a existência de uma Divindade Superior, o arquiteto que deu coesão e sentido ao Cosmos, e que teria idealizado um universo extremamente vasto no qual a humanidade não era única. Além disso, Giordano defendia a existência de alma em animais, lugares e objetos, idealizou uma Geometria Sagrada e criticou duramente as instituições da Igreja Romana. Juntou-se a movimentos reformistas como os calvinistas e luteranos, mas não se adaptou a nenhum deles, rompendo relações e sendo denunciado por todos.

Em determinado momento, abandonou o hábito e deu início a uma peregrinação que o levou a Paris e Londres. Nessas capitais gozava de maior liberdade para difundir suas ideias através de mecenas e protetores. De volta a Itália, peregrinou por Gênova e Florença onde obteve recursos para publicar seus livros. Em Veneza acabou sendo perseguido pela Inquisição, denunciado como herege e capturado pelo Santo Ofício que já o tinha na lista negra há anos. O julgamento de Giordano Bruno foi longo, durando oito anos, período em que ele ficou preso e inacessível. As acusações eram graves, incluído além da heresia, o crime de difamar, questionar e contrariar os ensinamentos da Santa Madre Igreja. Até de praticar feitiçaria, adivinhação e alquimia ele foi acusado. Por fim, deram a Giordano Bruno a chance de se arrepender, mas ele não se retratou. Foi então condenado a dolorosa morte na fogueira. Impossibilitado de concluir seus livros, ele foi censurado até no caminho da pira, com uma mordaça sobre a boca para que não pudesse discursar.

A Obra Filosófica de Giordano Bruno parecia ter uma grande influência sobre o jovem Bruno Borges e é provável que boa parte de seus estudos se concentrassem em seus ensinamentos.

Mais inquietante do que essa indisfarçável admiração, talvez seja o fato de Bruno guardar enorme semelhança física com as imagens existentes de Giordano Bruno. O porte físico franzino, o corte de cabelo e até a compleição de pele se assemelham às imagens conhecidas do filósofo. O rapaz parecia ressaltar essa semelhança física de maneira direta. Em páginas sociais, ele postava fotografias suas e os amigos não deixavam de compará-las a imagens do filósofo que também apareciam com frequência nos seus perfis.


Em 2016, Bruno pediu dinheiro à mãe para a realização de um projeto no campo de seus estudos de Filosofia. Quando questionado do que se tratava, o rapaz explicou que não poderia revelar naquele momento o teor de suas pesquisas, mas que elas causariam uma mudança nas relações humanas. Nas teorias de Bruno, ele repetia que todas as coisas estariam interligadas e pelo sistema definido em seus estudos, mostraria um mecanismo para melhorar a humanidade como um todo.

Denise pediu mais detalhes e quando Bruno se negou a atender sua condição, ela não concedeu o dinheiro pedido. Parece claro que Bruno não desejava revelar no que vinha trabalhando para não preocupar os pais que poderiam imaginar que ele estivesse "louco". A própria mãe disse: "se ele (Bruno) abrisse a porta e me mostrasse o quarto, eu choraria até morrer. Chamaria uma ambulância e mandaria internar."

Apesar da negativa de fornecer dinheiro, Bruno prosseguiu com seus planos obtendo um aporte de investimento com um primo oftalmologista que leu a sinopse de um dos seus livros e achou o conteúdo interessante.

Em algum momento, Bruno encomendou um quadro para adornar a parede de seu quarto. O quadro de tema no mínimo incomum foi encontrado no aposento em um local de destaque. Na tela, Bruno aparece ao lado de um ser extraterrestre em uma paisagem extraplanetária. Os dois personagens vestem um manto branco imaculado que remete a indumentária de alquimistas. Os dois parecem contemplar um horizonte com uma expressão de serenidade que é difícil de ser traduzida. O ser alienígena tem uma mão pousada no ombro do rapaz, em uma clara insinuação de que ele faz o papel de tutor enquanto Bruno é seu aprendiz.


Não se sabe se Bruno tinha interesse em Ufologia, mas dada a profunda devoção manifestada pela filosofia de Giordano Bruno, é de se assumir que a ufologia forneceria um perfeito complemento ao que ele professava. Giordano Bruno é tratado por certos estudiosos de ufologia como um personagem que "sabia muito" a respeito da existência de raças alienígenas e vida fora da Terra. Um precursor, muito adiante de seu tempo no que diz respeito a concepção de um universo infinito. Alguns ufólogos sustentam que as teorias do filósofo tinham fundamentação em contatos estabelecidos entre ele e essas mesmas raças inteligentes, ou seja, ele teria recebido informações de outros planetas para formular suas teorias.

Seja como for, não há dados a respeito de quando o quadro foi entregue e quem é o seu autor.

De certa forma, a descoberta da pintura ficou ofuscada diante de uma segunda obra de arte, ainda mais emblemática e impressionante, encontrada no quarto de Bruno. Trata-se de uma estátua de bronze com mais de dois metros de altura de ninguém menos do que o filósofo Giordano Bruno.


Diferentemente do quadro, a identidade do artista responsável por esculpir a estátua, uma réplica da que existe no Campo di Fiori em Roma, é conhecida. Trata-se do escultor Jorge Rivasplata de 83 anos de idade. A obra foi entregue no dia 16 de março e concluída no próprio quarto do rapaz pelo artista que fez visitas regulares a casa da Família Borges para dar os arremates finais.

Rivasplata conta que a estátua de bronze foi preenchida com cimento e cascalho para que ficasse pesada e não pudesse ser movida do lugar. Ela foi colocada sobre o que parece ser um círculo alquímico desenhado no chão. 

O artista conheceu Bruno Borges em um curso de desenho e pintura e foi procurado pelo rapaz que encomendou a criação da estátua. Ela demandou dois meses para ser concluída. Avaliada em pelo menos 20 mil reais, o artista responsável revelou que cobrou 7 mil reais, fazendo esse desconto por acreditar nas ideias do rapaz que revelou algumas de suas teorias.


"Ele se destacou. É muito inteligente, superdotado. Ele viu meu trabalho, gostou e me deu um livro sobre o Giordano. A estátua ficou no fundo da minha casa, Bruno veio buscar em uma caminhonete. Depois fui chamado para terminar, para fixar onde deveria ficar", contou.

Uma das últimas pessoas a conversar com Bruno, pouco antes de seu sumiço, Rivasplata afirma ter entrado em contato com o rapaz  para saber o que ele havia achado do resultado. A última vez em que se falaram foi por meio de mensagens de celular. "Ele respondeu: a estátua está perfeita, melhor impossível. Estou extremamente satisfeito, mestre Rivas. Logo a apresentaremos ao mundo. Esse trabalho o Acre vai conhecer, o Brasil e o mundo", disse.

Rivasplata acredita que Bruno é a encarnação de Giordano Bruno, uma teoria que encontrou eco na internet. Para o artista, o rapaz acreano teria a missão de escrever os livros que sua encarnação italiana se viu incapacitado de redigir após a prisão e execução.

 "A maioria não entende, mas eu o conheço há muito tempo. Dá para acreditar que foi reencarnado Giordano Bruno nele. Não posso contar mais, a única coisa que posso dizer é que já terminou os livros que ele [Giordano] deixou inconcluso. Queria falar ao seu pai e mãe que não se preocupem, ele está bem e vem apresentar ao mundo esse projeto lindo, fantástico", comentou o escultor - que negou saber o paradeiro de Bruno.


O desaparecimento propriamente dito foi noticiado no dia 21, quando a polícia foi chamada para dar início às buscas que até o momento se provaram infrutíferas. A cronologia dos dias que antecederam ao desaparecimento é bem conhecida e já foi estabelecida pela polícia:

Os pais de Bruno haviam planejado uma viagem de férias com certa antecedência. Bruno e os irmãos ficariam na casa. Nesse período, o rapaz se tornou ainda mais introvertido, convertendo-se numa presença cada vez menos frequente no dia a dia dos irmãos. Segundo Gabriela, o rapaz permanecia dias a fio no quarto, saindo apenas para fazer suas refeições. Nessas breves aparições não falava muito, respondia as perguntas com um simples "sim" ou "não".

Foi então que Bruno começou a trancar a porta do quarto, impedindo que ele fosse arrumado e que atraísse a atenção de curiosos: "Ele falava que estava trabalhando no projeto do livro e disse que só poderia contar a respeito dali a duas semanas. As pessoas perguntam porque eu não ia até o quarto e abria a porta. Mas é preciso entender que não se tratava de uma criança. Ele é um adulto e tem direito a sua privacidade. Me incomodava, mas eu não podia arrombar a porta", contou a irmã mais velha.


As modificações no quarto tiveram início assim Athos e Denise saíram para sua viagem de férias. Ao longo de 22 dias, período em que estariam fora, o rapaz começou a trabalhar freneticamente, redecorando todo o ambiente e fazendo alterações impressionantes que incluíam recobrir as paredes e até o chão com uma escrita perfeitamente simétrica. Até mesmo os armários brancos foram desmontados para que o interior servisse de tela para as palavras, gráficos, símbolos e esquemas. É possível imaginar a dedicação de Bruno e sua determinação para nesse período cobrir laboriosamente cada canto de suas paredes com linhas e nestas distribuir palavras e mais palavras. 

Muitos dos desenhos cuidadosamente reproduzidos, segundo alguns, tratam de noções de cabala, símbolos gnósticos e de tradições herméticas, além de alquimia medieval. Podem ser vistos círculos de proteção, triângulos, pirâmides e gráficos complexos cujo significado desafia a interpretação. As palavras escritas com uma métrica caprichada em linhas equidistantes utilizavam um alfabeto cifrado com caracteres retilíneos perfeitamente simétricos. Não se trata de alguma língua conhecida ou idioma estrangeiro, parece óbvio era um tipo de alfabeto criptográfico.


Além das paredes recobertas por essas cifras, Bruno deixou catorze manuscritos encadernados em espiral e identificados com grandes números em algarismos romanos na cor vermelha na capa. Os livros foram manuscritos com os mesmos caracteres dispostos pelo quarto e são na opinião da maioria das pessoas a conclusão de seu Projeto Secreto. 

Os livros foram colocados em uma escrivaninha lado a lado, sem uma ordem aparente: I, V, VII, IX, X, XI, XIII, XIV sendo que a sequência dos números está nas paredes. A razão para alguns deles terem sido redigidos em livro e outros nas paredes é desconhecida.

Além dos livros e das paredes, Bruno deixou para trás uma decoração com estatuetas, porta retratos com imagens de santos misturados a membros da família, alguns poucos quadros como o do já citado extraterrestre e arte sacra. A enorme estátua de Giordano Bruno foi colocada no centro do quarto em posição de destaque. Bruno desmontou a cama e durante os dias em que trabalhou na redecoração dormiu em um colchão no chão.


Apenas uma das paredes apresenta palavras com caracteres em português. São citações conhecidas de filósofos, pensadores e trechos extraídos da Bíblia. No canto oposto há uma frase que acredita-se seja de autoria do próprio Bruno:

"Leia-me ó Leitor se em minhas palavras encontrar deleite. Pois raramente no mundo alguém como eu nascerá novamente"

Os pais de Bruno retornaram de viagem e sequer suspeitaram do que estava acontecendo. De fato, até esse momento, ninguém sabia das mudanças realizadas no interior do quarto que ficava sempre trancado. Estranhavam sim as mudanças de comportamento do filho, mas ele sempre dizia que aquilo era por conta do Projeto Secreto que demandava cada vez mais sua atenção.


No dia 27 de março, Bruno estava normal. Almoçou com a família e parecia se comportar como sempre. Após o almoço Athos Borges concordou em dar uma carona para o filho enquanto voltava ao escritório. O rapaz vestia uma camiseta, bermuda e tênis quando foi visto pela última vez. Ele se despediu de maneira casual "até mais, pai" e bateu a porta do carro, sem dizer para onde estava indo.

Foi a última vez que foi visto.

A noite chegou e ninguém na casa sabia do paradeiro de Bruno que raramente se ausentava à noite. Decidiram então bater a porta do quarto, sem obter resposta. Preocupado, o pai resolveu finalmente derrubar a porta. Foi então que a família teve um choque ao se deparar com todas as mudanças que haviam sido feitas no aposento.

"Entrei no quarto e não vi a cama, não vi nada, só vi aquilo tudo. Naquele momento, percebi que ele tinha ido embora", contou Athos que ainda se emociona ao falar da descoberta.

Imediatamente os pais ligaram para a Polícia preocupados de que Bruno pudesse estar passando por algum tipo de surto psicológico. A polícia enviou investigadores que também se mostraram estupefatos com a descoberta e fizeram uma primeira filmagem do quarto que acabou caindo na internet e viralizando em poucas horas. No dia seguinte, as redes sociais tratavam do caso com grande interesse e as pessoas se perguntavam o que teria acontecido.

Aqui estão dois vídeos onde o conteúdo do quarto de Bruno Borges pode ser visto em detalhes:


O primeiro é o vídeo original no momento em que ele foi apresentado na internet.


O segundo é um vídeo com melhor definição e com mais detalhes.

O Delegado Fabrizzio Sobreira da Delegacia de Investigação Criminal liberou algumas imagens na internet com a permissão dos pais para que pessoas tentassem decifrar a criptografia usada por Bruno. Não demorou muito até que ela fosse descriptografada por Igor Rincon e Renoir dos Reis que montaram um site chamado "Decifre o Livro". 

O trabalho de decifração se apoiou na busca de padrões de associação, letras dobradas, letras que terminam palavras, que aparecem sozinhas e assim por diante. Os símbolos foram sendo traduzidos com base na associação de letras no idioma português. Cada símbolo do alfabeto se referindo a uma letra do alfabeto misterioso foi sendo encaixada. Encontrando alguns padrões não foi difícil deduzir as palavras mais comuns e montar uma relação.

O primeiro texto descriptografado por Igor e Renoir foi o de uma página fotografada. Ele tinha por título "Caminho Difícil" e se mostrou uma perfeita tradução dos símbolos.


Abaixo a tradução na íntegra do texto:

Caminho difícil

"Por milhares de anos o ser humano vem tentando encontrar respostas para perguntas como 'qual o sentido da vida'? A filosofia que, ao que tudo indica, parece ter se iniciado com Tales de Mileto em meados de 700 a.C. visa encontrar vestígios de perguntas sem respostas. A pesquisa profunda pela verdade absoluta advém da filosofia, e quando falamos a respeito de caminhos fáceis ou difíceis estamos nos referindo a esse tipo de teorema.

É fácil aceitar o que desde criança te ensinaram que é errado. Difícil é, quando adulto, entender que te ensinaram errado o que desde criança você suspeitou que fosse correto. Em outras palavras, se você se enquadra em algum cujos estímulos do meio lhe determinaram certo comportamento, fazendo com que estivesse à mercê de crenças já providas e bem estabelecidas em dogmas e rituais, com uma massa concentrada de pessoas nela; ou permitindo-o ficar no conformismo, aceitando o conceito de felicidade e de sentido da vida embutido pela mídia e pela sociedade, então claramente você faz parte do caminho fácil para a busca da verdade absoluta.

Acaso se enquadre na segunda opção, ou seja, aquele que suspeitava de todo conjunto de crenças que lhe foi enraizado, então este tem tudo para ser um investigador da veracidade nas coisas ao seu redor, entrando em um caminho mais complicado, no qual uma minoria se arrisca ou enfrenta com bravura."

Pouco depois do alfabeto ter sido quebrado, a família localizou uma "chave" que permitia realizar a tradução das cifras.


A "chave" estava no interior de um canudo de veludo azul (do tipo usado para guardar diplomas) e deixado em uma armário. A Chave possui uma relação direta entre cada letra e seu símbolo correspondente em uma espécie de Pedra de Roseta. Alguns mencionaram que o alfabeto havia sido extraído de uma publicação infanto-juvenil, o "Manual do Escoteiro Mirim", lançado pela Editora Abril na década de 1970 e recentemente republicado de modo saudosista. Os caracteres do chamado "Alfabeto Marciano" são bastante semelhantes, mas não são inteiramente compatíveis. Ainda assim a escolha para essa cifra denota que Bruno não planejava sustentar por muito tempo o mistério de seus textos. É provável que ele esperasse que estes fossem decifrados. No campo da Criptografia a associação de letras por símbolos é a modalidade mais simples de ocultação de texto. Qualquer pessoa com mínima dedicação seria capaz de quebrar esse código no qual cada letra corresponde a um símbolo.

Mesmo com a chave – que “traduz” o código de Bruno – a família declarou estar tendo dificuldades para fazer a tradução de todo material para o português. Não pela complexidade, mas pelo tamanho do material, que nas palavras da irmã, Gabriela "é imenso". Segundo ela, a ajuda de um especialista será importante para agilizar o processo e traduzir o material o quanto antes. O título de um dos livros segundo Gabriela é "A Teoria da Absorção do Conhecimento" e os textos são coerentes, não uma mera colcha de retalhos de textos sem sentido.

Estes são os fatos, mas com tudo isso, a que conclusões podemos chegar? Na realidade, poucas...


É perfeitamente possível que Bruno Borges tenha sofrido algum tipo de episódio psicológico. A forma como ele cobriu as paredes com símbolos, pode apontar para um transtorno obsessivo compulsivo. O comportamento maníaco de preencher todas as paredes, como numa tarefa a ser concluída antes do retorno dos pais, revela grande foco num determinado objetivo, elemento típico do obsessivo. Ao terminar a tarefa ele pode ter abandonado o surto e experimentado um certo grau de depressão pela conclusão da tarefa. Nesse estado, não é incomum que a pessoa busque se afastar de sua rotina e ficar introvertida, ao menos até reencontrar o foco.

Se esse for o caso, Bruno pode ter se refugiado na casa de um amigo ou ter usado seu dinheiro para viajar e se estabelecer em outro lugar. Ele tinha recursos suficientes para sacar dinheiro em espécie. A polícia não divulgou se tal saque ocorreu, pois estas são informações sigilosas da investigação. 

É bem pouco provável que ele esteja circulando às claras ou usando sua identidade verdadeira. Seu rosto e nome tem aparecido frequentemente na televisão e na internet e à essa altura ele já teria sido reconhecido por alguém. Tudo leva a crer que ele esteja escondido.

Alguns suspeitam que Bruno Borges possa ter deixado o material para trás como um ato final de suicídio. Alguns deixam cartas, outros deixam quartos inteiros com teses filosóficas. A possibilidade infelizmente existe, sobretudo se a teoria do transtorno psicológico se confirmar. Contudo, passadas quase duas semanas do desaparecimento, nada foi encontrado que aponte para um suicídio. Raramente suicidas procuram desaparecer por completo, dificilmente almejam que seu corpo não seja encontrado, sobretudo quando querem dar um "sentido" para a morte. Rio Branco não é uma cidade tão grande; a essa altura se suicídio fosse uma opção, ele já teria se confirmado.

Existe outra possibilidade avençada por alguns. 

Bruno pode ter sumido deliberadamente e deixado os objetos em seu quarto ciente de que a descoberta deles desencadearia enorme repercussão. O trabalho simétrico nas paredes, a impressionante estátua de Giordano Bruno, o quadro com o ET, os objetos místicos, os livros redigidos, a cifra... tudo é material explosivo para a internet e redes sociais. E de fato, quando essa história chegou à internet o efeito foi impressionante. Curiosos de todos os tipos falaram a respeito do incidente, fornecendo suas próprias teorias e dando suas sugestões... e ainda falam!

Mas o que Bruno ganharia com essa exposição? Em um primeiro momento: Atenção. 


Reportagem do Jornal Hoje exibida dia 5 de abril.

O que não falta, são pessoas que se dizem curiosas para saber a respeito do que são os tais livros e se eles seriam o complemento da Obra Filosófica de Giordano Bruno. No dia em que a conexão entre o rapaz e Giordano Bruno foi estabelecida, o nome do filósofo foi procurado como nunca na Wikipedia. De um momento para outro, o perfil de Bruno Borges no Facebook se tornou um dos mais requisitados nas ferramentas de busca pelos internautas brasileiros. O caso do rapaz ganhou repercussão em cadeia nacional. Todos os grandes programas de televisão noticiaram o ocorrido em horário nobre. A mídia escrita dedicou grande espaço ao caso, com jornais de norte a sul falando a respeito. O sumiço de Bruno foi notícia em outros países. Uma breve busca encontra a notícia em jornais da Argentina, Inglaterra, França, Alemanha, Japão. Nada se espalha mais rápido pela internet do que um mistério.

Se um dos objetivos do rapaz era chamar a atenção para seu trabalho, talvez essa tenha sido essa a maneira de atingir o maior número possível de pessoas. As palavras do escultor Jorge Rivasplata: "ele está bem e vem apresentar ao mundo esse projeto lindo, fantástico" e do próprio Bruno de maneira profética: "Esse trabalho o Acre vai conhecer, o Brasil e o mundo", parecem corroborar o interesse dele (e de sua obra) se tornarem conhecidos. O trecho em português na parede ""Leia-me ó Leitor se em minhas palavras encontrar deleite. Pois raramente no mundo alguém como eu nascerá novamente" também apontam para alguém que tem uma mensagem e que DESEJA compartilhá-la com o maior número possível de pessoas.


Mas será que é apenas isso? Um tipo de golpe publicitário bizarro? 

Se você não gosta dessa possibilidade, sempre é possível recorrer à explicações metafísicas: Bruno é a reencarnação do filósofo Giordano Bruno. Ele está numa missão para escrever os textos ausentes do autor renascentista. Ele é o Arauto de Seres Extraterrestres e de sua mensagem. Ele escreveu um tratado para Harmonizar as Relações Humanas. Na ausência de respostas, todas as teorias, até mesmo as menos prováveis, são passíveis de interpretações pessoais, acreditar ou não nelas é prerrogativa de cada um. 

Não duvido que o caso tenha uma resolução em breve e que venhamos a saber qual foi o destino do jovem Filósofo de Rio Branco. Esperamos que as coisas se resolvam o mais rápido possível e da maneira menos traumática para todos os envolvidos diretos - Bruno e sua família. Enquanto isso não acontece, resta esperar e imaginar qual será solução desse mistério que capturou a atenção das pessoas.

14 comentários:

  1. ...essa postagem tem mais qualidade que muita " reportagem " feita pelo atual " jornalismo brasileiro ". Parabéns Luciano , têm meu respeito e admiração...

    ResponderExcluir
  2. Ótimo post! Eu acredito que tenha um dedo publicitario nisso. Mas não faz com que seja menos empolgante para mim

    ResponderExcluir
  3. Parece perfeitamente um "golpe" publicitário

    ResponderExcluir
  4. Ótima matéria!
    Por sinal, este blog é muito bem escrito; sempre o acesso.
    Parabéns aos responsáveis.

    ResponderExcluir
  5. Muito bom, cara! O melhor registro que encontrei até agora sobre o assunto. Vamos torcer para que ele apareça, e bem.

    - Felipe TeTZ

    ResponderExcluir
  6. Ótima matéria!
    estou super curioso para saber mais sobre esse caso, o garoto teve muito trabalho pra fazer tudo isso, tantas referenciadas a alta magia, alquimia, maçonaria, espero que seja traduzido e publicado. ^^
    Parabens pelo blog, super inspirador pra quem é bloguer tb!

    ResponderExcluir
  7. Para mim é apenas alguém que enlouqueceu na busca por se tornar especial. Está escondido em algum buraco e voltará "triunfante" quando achar que o assunto está morrendo. Vai aparecer em todos os programas sensacionalistas de TV. Alguma editora esotérica vai lançar os livros e fazer um bom dinheiro.

    ResponderExcluir
  8. Muito boa a reportagem!
    Estava ansioso para ler o que você iria escrever sobre esse caso!

    ResponderExcluir

  9. O lance é que esse é um assunto muito delicado, ele transformou o quarto dele em um tipo de enigma, ele faz a gente ver o que ele quer que a gente veja pra gente não ver o que ele não quer a gente veja. é algo no estilo Código da vinci onde os símbolos e imagens servem pra quebrar algum código. No final da historia o trabalho dele parece ser bem serio, e é complicado fazer piada sobre isso já que a família dele ta sofrendo muito com o ocorrido, fiz um vídeo no meu canal contando em detalhes o que realmente aconteceu nesse caso por isso agora entendo que certamente não é nenhum tipo de trollagem nem nada do tipo: https://www.youtube.com/watch?v=gaJbtQqou2E&t=25s

    ResponderExcluir
  10. Estamos próximos de várias revelações sobre nós mesmos, algo foram do comum e que irá contrariar as crenças religiosas. A ciência está próxima de comprovar que não estamos sozinhos no Universo. Estamos em épocas que o homem não pode esconder, julgar ações ou inteligências que desconhecemos.

    ResponderExcluir
  11. Eu levaria a sério se não fosse o circulo de trasmutação humana do anime Full metal alchemist.

    Usando algo tirado de um desenho japones msotra que:

    1-Ele não passa de um jovem iludido que acho o desigh do circulo legal.

    2-Ou deve ser um trollagem, provavelmnte do cara do blog do não salvo.

    ResponderExcluir